5 de out de 2013

Profecias ou profetadas?

Esta semana ouvi sobre um homem que há vinte e cinco anos depende de uma profecia, mais especificamente de um chamado ministerial geográfico que até agora não se cumpriu porque segundo ele mesmo está fora de sua realidade. A questão não é o tempo da profecia, mas a atitude de paralisia que ela gerou nele, fazendo com que desde então não tenha nenhuma perspectiva de vida, senão o cumprimento da profecia que nunca acontece e pelo jeito não acontecerá.

É muito comum ouvir um crente dizer: “Eu profetizo”. Isso não acontecia quando me converti a Jesus há trinta e cinco anos. Naquele tempo se dizia: “Deus te abençoe”, “eu vou orar por você”, “eu desejo que isso e aquilo lhe aconteça”, “seja feita a vontade de Deus”... Mas, de vinte anos para cá, alguém começou a usar essa expressão “eu profetizo”, e a papagaiada começou a imitar e virou uma febre. Aliás, qualquer inovação que alguém fizer em alguma grande igreja de expressão mundial ou nacional, logo encontrará clones. “Eu profetizo” é uma delas. Poderia citar várias outras, como: grupos de danças nos cultos, levitas no louvor, correntes, campanhas, e outras invencionices infundadas. Mas, fiquemos com as profecias.

Então, você não crê em profecias? Creio sim. "Deus fala de um modo, sim, de dois modos, mas o homem não atenta para isso. Em sonho ou em visão de noite, quando cai sono profundo sobre os homens, quando adormecem na cama, então, lhes abre os ouvidos e lhes sela a sua instrução, para apartar o homem do seu desígnio e livrá-lo da soberba; para guardar a sua alma da cova e a sua vida de passar pela espada" (Jó 33.14-18). O que não creio é em profetadas e sugestionamentos em nome de Jesus como acontece com a maioria das chamadas profecias. Os profetas na Bíblia falavam de imediato ao coração do povo — mesmo que fosse para serem rejeitados. Muitas profecias eram recebidas como algo para além da compreensão deles, como dizia um professor meu: “As profecias podem ter um sentido imediato, remoto, e remotíssimo”. Deus fala aos homens, sim, mas isso não pode ser confundido com o que hoje acontece nas igrejas como profecia.

O que você acha das pessoas que dão consultas proféticas? Desconfie de todo profeta ou profetisa de plantão que tem sempre uma palavra profética a quem lhe procura. Um profeta de Deus não dá consultas com hora marcada e foge de se tornar objeto de consumo. O anjo Gabriel não visitou Maria numa praça pública, e nem a Isabel numa ala feminina de nenhuma sinagoga judaica. Ana, mulher de Elcana, e mãe de Samuel, também estava sozinha no Tabernáculo. Jesus não agia desse modo. Ao contrário, ele pediu muitas vezes que não o “expusessem à publicidade”, e algumas vezes curou e solicitou que ninguém ficasse sabendo. Mesmo pessoas sinceras com dom de profecia podem ser facilmente enganadas se não forem humildes e discretas. Muitas começam bem no Espírito mas depois continuam na carne.

As profecias podem ser confundidas com paranormalidade? Muitas profecias no meio cristão não passam de paranormalidade. Existem pessoas com a capacidade de ler emissões energéticas cerebrais decodificando pensamentos. Acredite, há pessoas capazes de ler pensamentos sem que isso seja um “dom de Deus”. Uma pessoa assim dentro de uma igreja pode fazer misérias “em nome de Deus” na vida de pessoas incautas e crédulas. Não é por acaso que existem tantas tragédias como frutos de profecias paranormais, mesmo que a profecia seja bem intencionada. Isso sem dizer que o diabo tira muito proveito nessa área enganando muitas pessoas que não conhecem a Bíblia, são ingênuas e acreditam em qualquer coisa que seja dita "em nome de Jesus". "Provai os espíritos se procedem de Deus" (1Jo 4.1).

Por que há tanto interesse em profecias? Geralmente as profecias são feitas em cima de generalidades, como um horóscopo, ou seja, são facilmente aplicáveis à maioria das pessoas. Profetizar para uma adolescente interessada em namoro que Deus tem um príncipe para ela em breve é "uma bênção”; dizer que Deus tem um grande ministério para um rapaz que prega com entusiasmo na igreja é uma “grande revelação”; dizer para uma pessoa amargurada que o diabo está lançando setas inflamadas e que tal pessoa precisa fazer algo em prol da igreja fará com essa triste vítima se disponha a qualquer sacrifício. Além disso, é próprio da natureza humana preferir uma direção claramente definida a viver pela fé como nos diz o Evangelho.

Devo me guiar por profecias? Não. “O justo vive pela fé” em Jesus segundo o Evangelho e não por profecias. Não permita que nenhuma profecia mude seu comportamento. Se você acreditar que a profecia veio de Deus para você deixe que ela aconteça; caso contrário, fique tranquilo e continue vivendo como antes. Não trabalhe em prol de nenhuma profecia, pois é isso que acontece com as profetadas: a pessoa recebe a profecia para o bem ou para o mal e em seguida começa a fazer de tudo para que ela aconteça.

O cumprimento de uma profecia é prova de que o profeta é de Deus? Não. Muitas profecias não passam de sugestões e os que as recebem ficam sugestionados pelo que ouvem e cumprem eles mesmos o que foi profetizado (sugerido). Isso não evidencia nada da parte de Deus como cumprimento de profecia. “Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade” (Mt 7.22-23).

Por que muitas profecias não se cumprem? Se o cumprimento de uma profecia não prova necessariamente que ela é Deus, quanto mais o não cumprimento dela. “Se disseres no teu coração: Como conhecerei a palavra que o SENHOR não falou? Sabe que, quando esse profeta falar em nome do SENHOR, e a palavra dele se não cumprir, nem suceder, como profetizou, esta é palavra que o SENHOR não disse; com soberba, a falou o tal profeta; não tenhas temor dele” (Dt 18.21-22). Muitas profecias não se cumprem porque não passam de sugestões.

O Novo Testamento tem alguma orientação sobre profecias? Existem muitas passagens na Bíblia toda falando sobre profecias. Entre outros textos, a primeira carta de Paulo aos coríntios, capítulo 14, dá várias orientações sobre profecias. Nenhuma profecia irá contra o que a Bíblia diz, pelo contrário, ela edifica, exorta e consola. Nenhuma profecia é inquestionável, ela pode e deve ser julgada por quem a recebe. O profeta não perde sua consciência nem o domínio de si quando profetiza nem gera confusão. A pessoa que tem o dom de profecia deve ser humilde, inclusive para dizer: “O Senhor não me falou nada”. Um profeta não é um adivinho da vontade de Deus. O Evangelho de Jesus é a profecia de Deus para nós.

Essa questão de ficar falando “eu profetizo” é coisa séria. Veja o que Deus diz: “O profeta que presumir de falar alguma palavra em meu nome, que eu lhe não mandei falar, ou o que falar em nome de outros deuses, esse profeta será morto” (Dt 18.20). “O profeta que tem sonho conte-o como apenas sonho; mas aquele em quem está a minha palavra fale a minha palavra com verdade. Que tem a palha com o trigo? — diz o SENHOR” (Jr 23.28).

Antonio Francisco – Cuiabá, 5 de outubro de 2013 – Voltar para Perguntas e Respostas.